Miss the raindrops against my window.

Um dia ainda volto a escrever... Até lá, fico só aninhada na manta a ver a chuva escorrer na janela.



02 julho 2008

LUZ DE PRESENÇA






Senti frio.
Ergui a cabeça,
Mas não abri os olhos para realidade.

Já não estavas lá.
Apenas sentidos,
Nada mais.
Nem o vapor no espelho ficara.

Ordenei ao meu corpo que se levantasse.
Ignorou.
Insisti, «tens que te recompor».
Então, de orgulho ferido arrastou-se.
Reneguei o meu reflexo.
Aquilo não era eu,
Não era possível.

Presa no que não desejara,
Já não me conhecia.

Arrastei outro pé.
«Porque não estás comigo?»

Já não te reconhecia,
O teu sabor em mim não passava de uma ilusão.
Os meus sentidos atordoados pelo teu toque,
Cada bater de coração.
Tudo passado.

Deixei-o afundar-se sobre o gelo luminoso.
Sem pensar, sem sentir,
Ergui o olhar,
E, quase num reflexo vi a solução.

Tudo agora fazia sentido.
Não tive medo.
Decidi enfrentá-lo.

Fitei-o até que nos voltássemos a tornar num só.
Por momentos senti que tudo estava bem.
Mas não. Apenas outra ilusão.
Não estava bem,
Mas sim desperta.
Lentamente, comecei a reconhece-lo.
Era eu, conseguia senti-lo.


Vi uma sombra mover-se ao longe.
Voltara.
Virei-me.
Agora, com todos os sentidos em mim,
Procurei-o.






Não podia conformar-me.
Não podias tornar-te passado.
Ilusão,
Reflexo ideal do impossível.

Não estavas lá.
Um arrepio.
Bloqueei.
«És, foste tanto».
Não podia ser verdade.
Deixei de me sentir.
«Não, não pode ser verdade.
Não é verdade.»



Cerrei os olhos com toda a força que me restava.
Desejei.
Implorei de cabeça erguida.
E senti o meu sangue voltar a correr, ardente.
Preenchendo cada milímetro do meu ser, para logo se tornar cinza.
Tudo se desvaneceu em cinzas.
Pó, vestígios de um fogo ardente.
Que o orvalho levou.

Voltei a sentir medo.
Pânico, quis gritar.
Mas tive medo.
Recusei-me a abrir os olhos,
E a sombra apoderou-se de mim.

Os meus sentidos, tornados então gelo pálido.
Terra húmida do que um dia fora neve resplandecente.
Cai em terra firme, de vez inânime.
Fim de jogos, de ilusões e reflexos.
Fim de vida, de sombra, fim de neve.
Fim de pesadelos e vontades.

Já nada importava, nunca mais, para sempre.
Tudo o mesmo.
Acordei, eternamente sem sentidos.
Agora tudo se tornara obvio.
Finalmente, realizei…
Terias estado comigo alguma vez?

Quis abrir os olhos, mas era tarde demais.
Eternamente sem sentidos.

5 comentários:

Andreia disse...

Adorei o poema *_*
E os outros textos *_*

Mi disse...

Vi um pouco de mim, em ti, nos teus textos.

Adicionei-te no meu blog, espero que nao te importes. :$

Mi disse...

Tu, sim, muito bem.
Da outra vez não deu para adicionar; importaste?

Coisa disse...

Tu é que escreves coisas lindas, mesmo! *-*

๑๑ Filipa ๑๑ disse...

amor passa no meu blog xD amei este texto*.* mesmo. nnc pensei q escrevesses assim. beijinho ly